Campo Morfogenético na Constelação Familiar Sistêmica

 Rupert Sheldrake, biólogo, que desenvolveu a teoria dos Campos Morfogenéticos, explica que existe um Campo Mórfico ou Morfogenético, onde nossa mente alcança lugares além de nossa cabeça, onde emanamos energia capaz de se conectar com tudo ao nosso redor. Esses campos morfogenéticos alcançam memórias familiares remotas, de  ancestrais que nem sequer conhecemos, para acessar lembranças e acontecimentos que influenciam negativamente nossa vida.



A Constelação Familiar Sistêmica é uma terapia que utiliza a fenomenologia e os Campos mórficos para trabalhar com representantes, que podem ser objetos ou pessoas, utilizados para resolver conflitos familiares. Esses representantes interagem entre si no espaço/local determinado pelo terapeuta e são posicionados conforme a intuição do cliente. Por meio desta interação, muitas informações e insights vem a tona, do inconsciente para o consciente.

Por exemplo, um cliente quer entender o motivo de sua depressão, e procura um Constelador Familiar para ajudar a olhar para este problema. Em um determinado espaço físico, o constelador pede ao cliente que escolha pessoas para representar seus familiares, ou representar a depressão. Tudo depende da maneira como o Constelador trabalha. O objetivo é sempre o mesmo: trazer para a consciência o que está inconsciente. O cliente então posiciona no espaço os representantes de acordo com a sua intuição. Os representantes começam a partir disso, a expressar emoções através da fala, de gestos e de expressões faciais. Com este cenário, o Constelador pode fazer uma leitura do que está acontecendo no campo, e transmitir as informações aos representantes e ao cliente. Isto é campo mórfico: onde as informações apresentadas tal como são através dos representantes, mostram memórias inconscientes do cliente e de sua família.

Essa movimentação dos representantes e como eles sentem o campo, é fenomenológico e não espiritual, pois Constelação Familiar não está ligada a nenhuma religião ou crença.

Na Fenomenologia o foco está na experiência que é apresentada tal como é, trazendo ao consciente o que estava inconsciente para o cliente, sem que haja julgamentos e suposições sobre esta imagem que surge.

A solução apresentada e mostrada através da fenomenologia e do campo morfogenético nem sempre é o que esperemos e o que queremos que seja, e sim o que é necessário e essencial para o cliente e o sistema familiar dele naquele momento.

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem